10 discos eternizados por causa da capa: VEJA!

O portal Metrópoles, com ajuda da equipe da Marcondes & Co, bolaram uma lista com 10 álbuns que “se tornaram inesquecíveis por causa da capa”. Vamos tomar a liberdade de reproduzir aqui a lista e informações, conforme a matéria:

1 – “Sticky Fingers”, dos Rolling Stones (1971)

“O disco está no top ten dos Stones, com clássicos como “Brown Sugar”, “Sister Morphine” e “Wild Horses”. Mas a capa, criada pelo rei da pop art Andy Warhol, é a melhor da banda. Um modelo numa calça jeans apertada num momento, digamos, de excitação. A versão deluxe trazia um zíper, que abria a calça e dava visão da cueca etc. Épico.“, diz a reportagem.

2 – “Chico Buarque de Hollanda” (1966)

“O primeiro disco de Chico Buarque traz músicas inspiradas, como “Tem Mais Samba”, “A Banda” e “A Rita”. Clássico! Mas os sambinhas ficam em segundo plano quando pensamos nessa época, um dos maiores memes da história da internet. O delfim de olhos claros, feliz e decepcionado. Genial.”

Tão bom que merece um meme, acessa lá na fanpage do Disco de Vinil.

3 – “True Blue”, de Madonna (1986)

“O terceiro disco da diva do pop tem um elemento que ajudou a mudar a carreira da jovem suburbana: os cabelos loiros curtíssimos. Fez toda a diferença, até hoje é o disco internacional mais vendido no Brasil e cristalizou a imagem que todos temos de Madonna. As músicas? Sim, estão lá “Papa Don’t Preach”, “La Isla Bonita” e a de “dançar juntinho” “Time to Tell”. Um pouco datadas, mas ainda emocionantes.”

4 – “Araçá Azul”, de Caetano Veloso (1973)


”Caetano magérrimo, em uma tanga vermelha, num contra plongeé espelhada e cabelo globetrotter. Tem como ser melhor que isso? Não, não tem. O disco é uma maluquice experimental, gravado “under the influence”, que gerou a maior devolução de vinis da história do mercado brasileiro. Pegue a capa e pregue na parede da sala”, escreveram… mas eu ainda prefiro na vitrola!

5 – “Fear of The Dark”, de Iron Maiden (1992)


”A capa é uma das mais assustadoras do rock pesado e versa sobre aquilo que mais tememos: pesadelos e o medo do escuro. Um clássico tardio do Iron, especialmente pela faixa-título. Mas o disco em si não é dos mais inspirados, tem muita encheção de linguiça e se destaca por umas poucas faixas, como “Afraid to Shoot Strangers” e “Wasting Love””, e aí… concordam?!

6 – “Fleet Foxes” (2008)

“Mesmo que o folk-indie-cabeça-barroco dessa banda de Seattle seja interessante, embora um pouco enjoativo, um dos motivos por ser tão hypada foi a fantástica capa de seu álbum de estreia. Trata-se da pintura “Provérbios Holandeses”, do flamenco Peter Brueghel, o Velho, de 1559. Foi eleita pela imprensa internacional a melhor capa de 2008”, tá aí… essa eu não conhecia!

7 – “Adore”, do Smashing Pumpkins (1998)


“Se os discos anteriores do Smashing misturavam certa psicodelia garageira com piração gótica e glam, “Adore”, mais minimal e com discreto acréscimo de sons eletrônicos, não emplacou. Mas a capa é magnífica: concebida pela então namorada ucraniana de Corgan, Yelena Yemchuk, está carregada de deformações, cenários e maquiagem típicas do expressionismo alemão. Uma das mais bonitas de sua era”, que foto!

8 – “Time Further Out“, do The Dave Brubeck Quartet (1961)

“Brubeck sempre foi cerebral e meticuloso, e a matemática de seu west coast jazz leva à precisão com que o catalão Juan Miró equilibrava formas e cores elementares em pinturas minimalistas. Não à toa, ele usou Miró na capa do clássico “Time Out”. Quando, em 1961, repetiu a dose em “Time Further Out”, não repetiu o sucesso. Capa linda e musical, com números, linhas e escalas”

9 – “Green Mind”, de Dinosaur Jr. (1991)

“O quarto trabalho do grupo americano de guitar-noise é um grande disco, com um dos maiores hits da banda (“The Wagon”). Mas chama a atenção a polêmica capa, uma foto poética, cheia de punch e atitude, de uma garotinha fumando. O fotógrafo Joe Szabo diz que viu a imagem num relance, deu o click, e, de repente, a menina havia sumido. O mistério ratifica a força das imagens diante da realidade”, que tal?

10 – “McCartney II”, de Paul McCartney (1980)

“O primeiro disco solo de Paul, “McCartney” (1970), foi uma sucessão de altos e baixos experimentalistas. Paul tocou todos os instrumentos. Após o fim dos Wings, o ex-Beatle resolveu repetir a experiência em “McCartney II”, mais alinhado à new wave e usando synths e sons eletrônicos. Altamente esquecível, só é melhor que o “I” em uma coisa: a capa”

Sensacional lista! Qual você achou a capa mais louca?! Tenho apenas dois dos discos supracitados. Algumas indicações eu nem conhecia, vou ver qual é. Parabéns redação metropolitana e equipe Marcondes!

Pra quem não lembra, semana passa listamos três lojas de vinil que você precisa conhecer um dia: LEIA. Hoje é segunda… bota um vinil pra tocar e emane boas energias pro mundo. Até semana que vem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s